Arquivo

Archive for the ‘Assembléia de Deus’ Category

JABULANI – A “UNGIDA” DA VEZ

Jabulani é a bola que foi produzida pela Adidas e está sendo utilizada na Copa do Mundo da FIFA de 2010, na África do Sul.
Particularmente, não me recordo de qualquer outra bola utilizada em copa do mundo que tenha ficado tão famosa, porém, o pior de tudo é que a fama da tal Jabulani é procedente dos seus discutíveis efeitos.
Alguns craques a reprovaram, outros tentaram defendê-la sob os protestos de que são patrocinados pela sua fabricante e outros ainda a vêem com desconfiança, e já houve até quem a classificasse como sobrenatural.
O certo é que, se a Jabulani fosse como todas as demais bolas do mercado e mesmo as utilizadas em copas anteriores, não estaria no centro das atenções, muito menos sendo citada neste singelo artigo.
Em que pese ter sido “ungida” a bola da vez na Copa 2010, seu midiático sucesso tem data marcada para entrar em declínio: 11.07.2010, a partida final do torneio mundial de futebol. A partir dessa data, a cada dia menos se falará na Jabulani, até que surja a celebridade redonda oficial da próxima copa.
Enfim, a bem da verdade, o que realmente me interessou em toda essa história da Jabulani, é a relação com alguns também midiáticos ministérios de obreiros, os quais de maneira subliminar se autodenominam como os “ungidos da vez”.
Assim como o futebol sobreviveu até hoje sem a tal Jabulani, também a igreja do Senhor sem os tais “ungidos da vez”.
A semelhança entre tais fatos só subsiste pelos controvertidos efeitos desses ministérios, pela reprovação de alguns, pela suspeita aprovação de amigos, beneficiários e simpatizantes e até mesmo pela desconfiança de outros acerca dos efeitos sobrenaturais por eles produzidos. Assim como a Jabulani vai desaparecer, da mesma forma os tais controvertidos ministérios.
A propósito, me lembro agora de Matias, aquele escolhido pelos apóstolos através de um sorteio, para preencher o lugar de Judas, o qual foi cognominado por um experiente pregador como “obreiro cometa”, ou seja, aquele desaparece com a mesma velocidade que apareceu. A Bíblia só se refere a Matias no dia da sua controvertida escolha. A partir daí nada mais se soube acerca desse apóstolo que teve apenas um minuto de fama.
Na verdade, a obra evangelizadora da Igreja é realizada pelos incontáveis obreiros anônimos, lotados nas grandes e pequenas cidades, bairros nobres ou favelas e até mesmo nos rincões mais longínquos do mundo. Gente normal que prega o evangelho de maneira simples, do jeito que está na Bíblia, sem controvérsia, sem fama, e isso por anos a fio.
Alguns deles, a grandeza da sua obra só é descoberta após a sua partida para a eternidade, quando então surgem as tardias homenagens, digo tardia do ponto de vista humano, pois na realidade à esses está garantida a certeza do galardão celestial, no entanto, quanto aos obreiros Jabulani’s, já receberam aqui mesmo os louros da sua controvertida fama.

Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.” 2 Timóteo 4:5

Postado por Pr. Carlos Roberto no seu blog point rhema

um “pregador” enganando o povo de Deus.

O vídeo abaixo está circulando na Internet há algum tempo. Ele mostra claramente um “pregador” enganando o povo de Deus. Mas o que me chama a atenção é que estamos em um tempo em que os crentes — inclusive os pastores — não sentem mais falta da exposição da Palavra de Deus. Qualquer um que berre ao microfone, “revele pelo Orkut”, pule, sapateie, dance ou conte piadas tem mais prestígio que um expoente das Escrituras.

Muitos riem, ao ver o Orkulto abaixo. Mas o meu coração chorou, ao observar tanta gente sincera, necessitada, sendo enganada… O povo de Deus perece por falta de conhecimento (Os 4.6). Está na hora de os obreiros chamados pelo Senhor tomarem uma posição… O julgamento começa pela casa de Deus (1 Pe 4.17).

AD de Pernambuco lança campanha

AD de Pernambuco lança campanha em prol dos afetados pelas chuvas que atingem o Estado

A igreja Assembleia de Deus em Pernambuco, liderada pelo pastor Ailton José Alves, junto com a Rede Brasil de Comunicação, lançou a campanha REDE BRASIL SOLIDÁRIA. O objetivo da campanha é arrecadar donativos e alimentos não perecíveis às vítimas das chuvas que castigaram o Estado de Pernambuco nesta semana.
Até o fechamento desta matéria, nove pessoas morreram, 13 cidades estão em estado de emergência e mais de 10,5 mil tiveram de sair de suas casas devido aos estragos causados pelas chuvas.
Na madrugada de hoje (19), a Rede Brasil transmitiu, na sua programação diária no canal 14 UHF, um programa especial voltado para os afetados pelas enchentes, que durou das 0h às 4h, ao vivo e apresentado pelo ev. Natanael Balé e pelo pb. Enoque Barros.
A campanha irá durar até o fim deste período chuvoso. Como foi mostrado no especial da madrugada, muitas pessoas estão desabrigadas, perderam todos os seus bens e estão impossibilitadas de voltar para suas casas.
Os interessados em ajudar os atingidos pelas chuvas em mais esta ação social da IEAD-PE devem levar as doações às igrejas onde fazem parte, encaminhando aos coordenadores das áreas, gestores das filiais ou presbíteros responsáveis pela congregação.
Outra possibilidade é levar os donativos diretamente ao Departamento Social da igreja, no Templo Central, na avenida Cruz Cabugá, 29, Santo Amaro, Recife. Lá, haverá uma equipe destinada exclusivamente para atender os doadores. Caso a doação seja financeira, basta ligar para estes telefones: (81) 3797-1500 e (81) 3084-1530.
A campanha REDE BRASIL SOLIDÁRIA será divulgada pela emissora durante a programação no rádio e na TV, principalmente no programa Deus Fala ao Coração, transmitido das 0h às 1h, de segunda a sexta.

A trágica decisão do STJ

A trágica decisão do STJ que permitiu a adoção de crianças por homossexuais

Por que a decisão do STJ de permitir a adoção por casal homossexual é um grande equívoco?

Trágica. É assim que podemos definir a decisão dos Ministros da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, por unanimidade, negaram recurso do Ministério Público do Rio Grande do Sul e mantiveram a decisão que permitiu a adoção de duas crianças por um casal de mulheres.

Sob o ponto de vista jurídico e levando-se em consideração uma interpretação sistemática da nossa Lei Maior (CF), pode-se dizer que tal decisão é claramente inconstitucional. O artigo 226, § 3º, da Constituição Federal, estabelece que “para a proteção do Estado é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar…”. Isto é, a união estável somente poderá ser reconhecida pelo relacionamento de pessoas de sexos distintos, a qual será considerada como entidade familiar. Daí dizer que sob a vigência da atual Carta Magna a união homossexual não é considerada como família e muito menos como uma união estável.

Com isso em mente, leiamos o artigo 29 do Estatuto da Criança e do Adolescente que assim dispõe: “Não se deferirá colocação em família substituta a pessoa que revele, por qualquer modo, incompatibilidade com a natureza da medida ou não ofereça ambiente familiar adequado”.

Observe que a lei diz “ambiente familiar adequado”. Ora, se o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo não é considerado juridicamente como família e nem mesmo como união estável, tal sociedade pode ser considerada como um ambiente familiar adequado apto a uma adoção?

Direito de Família pós-moderno

A questão é que nos dias atuais o Direito (ciência jurídica) tem sofrido imensas transformações. Algumas mudanças são positivas, outras, porém, são verdadeiros absurdos. O Direito pós-moderno ou pós-positivista – tão incensado na seara jurídica da atualidade – evocou a supremacia dos princípios em relação às normas; a análise individual ao invés da geral. Com isso, a Lei, concebida como a manifestação da soberania do povo através dos seus representantes, se vê hoje em desvantagem, já que se abre aos magistrados a possibilidade de julgar conforme princípios que às vezes se chocam contra a própria legislação.

Charles Colson e Nancy Pearcey, em O Cristão na Cultura de Hoje (CPAD), denominam essa situação de imperialismo judicial, de juízes que interpretam arbitrariamente as leis e as aplicam contra os padrões morais objetivos. Conforme os autores, “… estamos em uma situação sem saída, onde os juízes conservadores dizem que as cortes não podem consultar a moralidade, que é o papel do povo transformar a moralidade em lei – enquanto, ao mesmo tempo, os juízes liberais anulam leis que expressam as convicções morais do povo, até mesmo desqualificando essas convicções como uma simples ‘animosidade pessoal´”. (p.206).

O problema maior é que os princípios geralmente utilizados pelos magistrados liberais são construções ideológicas, inflados às vezes pelo sopro de idéias obtusas e extravagantes, aplicados em conformidade com a conveniência do julgador. O (super)princípio da dignidade da pessoa humana, por exemplo, vai se transformando em “arroz de festa”; de tanto ser invocado e utilizado erroneamente tem agora o seu valor original desconfigurado, servindo a interesses de uma minoria. Tenta-se a todo custo legitimar comportamentos antinaturais e imorais sob o manto da “dignidade da pessoa humana”.

Nesse mesmo foco o Direito de Família se envereda por um túnel obscuro. O jurista Eduardo de Oliveira Leite, citado por Flávio Tartuce no livro Direito de Família (Método, p.22/23), ao apontar algumas das suas principais alterações lista a dessacralização como uma de suas características atuais. Ou seja, é o desaparecimento do elemento sagrado da família. Com isso, a família que sempre foi considerada como uma instituição sagrada é agora concebida como um simples contrato; apenas um negócio jurídico.

De volta à adoção…

Além de trágica sob a visão jurídica, é também sob a perspectiva moral e bíblica.

Se a união entre pessoas do mesmo sexo já representa algo antinatural (Rm. 1.27); a adoção de crianças por homossexuais possui ainda maior gravidade. Isso porque, a união homossexual [pelo menos] pressupõe a consciência das pessoas maiores em tomarem tal decisão. Como mesmo afirmam: trata-se de uma orientação. São escolhas do livre arbítrio.

A adoção, por outro lado, consiste em ato que não leva em consideração a consciência moral da criança, que ainda não sabe a diferença entre o certo e o errado. Nesse caso, “a voz da conciência” é o próprio Estado, que diz o que é o melhor para a criança, a qual no final das contas não tem nenhuma escolha; senão aceitar aquilo como sendo algo normal.

A aceitação de tal adoção, como se vê, é mais uma aplicação do pragmatismo pelo Estado. Tenta-se resolver um problema social com os olhos voltados basicamente para o utilitarismo, sem considerar a ética e a moralidade.

E Agora, Como Viveremos?

Valmir Nascimento

VOCÊ NO PLANO DE DEUS!!!!

Você no plano de Deus!

Todos fazemos planos para o futuro. Muita gente calcula minuciosamente os passos que tomará a fim de que seus objetivos saiam como desejam. Mas o que fazer quando as coisas não ocorrem como o esperado?

Deus tem a resposta para você. Ele planejou a sua vida para que tudo desse certo, mas o pecado fez com que tudo saísse errado. E o pior: até o seu relacionamento com Deus foi prejudicado. E hoje você se sente completamente só; abandonado.

Por que o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor (Rm 6.23).

Embora separado de sua comunhão, Deus se propôs a dar-lhe a chance de que tanto você precisa para reatar a sua amizade com Ele. E para isto você não precisa pagar nada. É tudo de graça!

Todavia, amizades verdadeiras exigem sacrifícios. E como não tínhamos condições para satisfazer tal exigência, o próprio Deus encarregou-se de provar o quanto nos ama. Ele enviou o seu Único Filho para ser sacrificado em seu lugar.

Você é tão importante para Deus que Ele deu o seu Único Filho para morrer em seu lugar.

Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores (Rm 5.8).

Você pode estar sentindo-se indigno de uma prova de amor tão grande. Mas esse sacrifício faz parte do plano de Deus para a sua vida. A melhor parte do plano é que, além de ser de graça, você só precisa crer que Jesus é o único caminho que nos conduz a Deus.

Pela fé, faça esta oração:
Deus, sei que tens um plano maravilhoso para a minha vida. Mas também sei que esse plano não será concretizado sem a ajuda de Jesus. Por isso, perdoa os meus pecados, e faz de mim uma nova pessoa. Em nome de Jesus. Amém.

Agora que você já falou com Deus, Ele dará um novo rumo para a sua vida. Você já faz parte dos planos de Deus.

A lista da Seleção já está completa???

A lista da Seleção já está completa?

Ainda há possibilidade de incluir outros nomes antes da Grande Convocação

A lista da Seleção já está completa?

O assunto do momento é a lista dos 23 jogadores que, possivelmente, defenderão a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da África do Sul, neste ano. Mas eu fiquei pensando: Será que a relação da Seleção Celestial já está pronta? Já estariam os nomes de todos no Livro da Vida, que é o registro dos salvos, de todas as épocas? Não serão incluídos novos convertidos ao mencionado livro antes da Grande Convocação, o Arrebatamento da Igreja?

Segundo a Bíblia, aquele cujo nome não constar do Livro da Vida será lançado no Lago de Fogo, o Inferno propriamente dito (Ap 20.15). E alguns teólogos têm afirmado que Deus já inseriu nesse livro todos os nomes dos eleitos antes da fundação do mundo. Eles também contestam a oração que alguns pregadores fazem pelos pecadores arrependidos: “Pai, em nome de Jesus, escreva os seus nomes no Livro da Vida”.

Entretanto, conclui-se, à luz de Apocalipse 17.8, que os nomes dos salvos estão (e vêm sendo) relacionados no Livro da Vida desde a (e não antes da) fundação do mundo. Numa construção frasal, há uma enorme diferença entre antes da e desde a. Segue-se que a expressão “desde [gr. apo] a fundação do mundo” denota que os nomes dos salvos vêm sendo inseridos no Livro da Vida desde que o homem foi colocado na Terra fundada por Deus (Gn 1), e não que haja uma lista previamente pronta antes que o mundo viesse a existir.

A título de comparação, em Apocalipse 13.8 está escrito que todos os cordeiros mortos desde o princípio apontavam para o sacrifício expiatório do Cordeiro de Deus (cf. Is 53; Jo 1.29). Isto é, as ofertas de animais apresentadas a Deus pelos seus servos, antes de Cristo morrer por nossos pecados, tipificam a definitiva obra redentora da cruz (1 Pe 1.18,19; 3.18).

Quando o salvo em Cristo tem o nome inserido no Livro da Vida? Uma pessoa só pode ter o registro do nome em cartório depois de seu nascimento; ninguém é registrado antes disso. Da mesma forma, o nome de alguém só passa a constar do aludido livro após o seu novo nascimento. Afinal, “aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus” (Jo 3.3).

Portanto, não existe listagem prévia dos eleitos. Na medida em que os indivíduos creem em Cristo (Jo 3.16) e o confessam como Senhor (Rm 10.9,10), são inscritos no rol de membros da Seleção Celestial, a Igreja dos primogênitos, a Universal Assembléia (At 2.47, ARA; Hb 12.23).

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

EM 1 CORÍNTIOS 7.36 TEMOS UMA APROVAÇÃO PARA O INCESTO?

EM 1 CORÍNTIOS 7.36 TEMOS UMA APROVAÇÃO PARA O INCESTO?

“Mas, se alguém julga que trata dignamente a sua virgem, se tiver passado a flor da idade, e se for necessário, que faça o tal o que quiser; não peca; casem-se.” (1 Co 7.36, ARC)

“Entretanto, se alguém julga que trata sem decoro a sua filha, estando já a passar-lhe a flor da idade, e as circunstâncias o exigem, faça o que quiser. Não peca; que se casem.” (1 Co 7.36, ARA)

O problema destas versões está na tradução do termo grego parthenon, onde especialmente na Almeida Revista e Atualizada foi traduzido por “filha”. Vale resaltar, que na própria nota de rodapé da referida versão é colocado que se trata de “expressão ambígua, que pode significar a sua filha ou a sua prometida.

O Dicionário do Grego do Novo Testamento de Carlos Rusconi (Paulus) define o termo parthenos como “homem ou mulher que nunca teve relações sexuais: virgem”.

O Dicionário do Novo Testamento Grego de W. C. Taylor (JUERP) traduz o verbete parthenia por “virgindade”, e parthenos por “virgem”.

O Léxico Grego Analítico de Harold K. Mouton (Cultura Critã), admite para a tradução de parthenos: virgem, donzela.

O Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento de Coenen e Brown (Vida Nova) afirma que “A mulher jovem que ainda não se casou é chamada parthenos. Nisto, a ênfase pode recair, de um lado, sobre a sua juventude já madura, e , do outro lado, sobre a sua inocência e pureza” (p. 1334). E ainda: parthenos ocorre 3 vezes em Mt 25.1-12, uma vez em Atos, 5 vezes em 1 Co cap. 7, uma vez em 2 Co cap. 11, e uma vez no Apocalipse. O Uso geral se torna aparente na parábola das Dez Virgens (Mt 25.1, 5, 11). Em At 21.9, refere-se a filhas solteiras. […] W. G. Kummmel, do outo lado, segue G. Schrenk, TDNT III 60-61, pensando que Paulo tem em mente o relacionamento de um homem para com a sua noiva que é virgem no sentido comum.” (p. 1352)

O Novo Testamento Interlinear da Sociedade Bíblica do Brasil e o Novo Testamento Interlinear de Waldir Carvalho Luz (Cultura Cristã) traduzem o termo parthenon por “virgem”.

Anthony Palma, no Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento (CPAD, p. 979-980), após apresentar as três principais interpretações dos versos 36-38, fica com a hipótese que alega apresentar menos dificuldade, ou seja, a de que a frase “sua virgem” se refere a um homem e sua noiva.

Estranhamente, e destoando das demais citações aqui feitas, ao comentar sobre o termo grego parthenos, Vine (CPAD, p. 657) declara que “[…] significa, em 1 Co 7.36-38, ‘filha virgem’.”

Além das alusões ao termo nas obras acima, outros argumentos fortalecem a idéia de que 1 Co 7.36 não é uma aprovação à prática do incesto.

Em primeiro lugar, a aprovação de incesto por Paulo iria de encontro aos mandamentos e proibições listados em Levíticos 18.6:

“Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne, para lhe descobrir a nudez. Eu sou o Senhor.”

É interessante ainda observar, que uma boa hermenêutica deve seguir o princípio de que um texto (tradução ou versão) obscuro precisa ser analisado à luz de textos (traduções ou versões) e contextos mais claros sobre o assunto em discussão.

Duas versões bíblicas cooperam na elucidação do problema com a tradução e interpretação do texto de 1 Coríntios 7.36:

“Se alguém acha que está agindo de forma indevida diante da virgem de quem está noivo, que ela está passando da idade, achando que deve se casar, faça como achar melhor. Com isso não peca. Casem-se.” (Nova Versão Internacional-NVI)

“Aos que ficaram noivos, mas resolveram não casar mais, eu digo o seguinte: se o rapaz sente que assim não está agindo certo com a sua noiva e acha que a sua paixão por ela ainda é muito forte e que devem casar, então que casem. Não existe pecado nisso.” (Nova Tradução na Linguagem de Hoje-NTLH)

Abraços!

Postado por ALTAIR GERMANO, às 10:35 4 comentários