Arquivo

Archive for the ‘Nótícias’ Category

AD de Pernambuco lança campanha

AD de Pernambuco lança campanha em prol dos afetados pelas chuvas que atingem o Estado

A igreja Assembleia de Deus em Pernambuco, liderada pelo pastor Ailton José Alves, junto com a Rede Brasil de Comunicação, lançou a campanha REDE BRASIL SOLIDÁRIA. O objetivo da campanha é arrecadar donativos e alimentos não perecíveis às vítimas das chuvas que castigaram o Estado de Pernambuco nesta semana.
Até o fechamento desta matéria, nove pessoas morreram, 13 cidades estão em estado de emergência e mais de 10,5 mil tiveram de sair de suas casas devido aos estragos causados pelas chuvas.
Na madrugada de hoje (19), a Rede Brasil transmitiu, na sua programação diária no canal 14 UHF, um programa especial voltado para os afetados pelas enchentes, que durou das 0h às 4h, ao vivo e apresentado pelo ev. Natanael Balé e pelo pb. Enoque Barros.
A campanha irá durar até o fim deste período chuvoso. Como foi mostrado no especial da madrugada, muitas pessoas estão desabrigadas, perderam todos os seus bens e estão impossibilitadas de voltar para suas casas.
Os interessados em ajudar os atingidos pelas chuvas em mais esta ação social da IEAD-PE devem levar as doações às igrejas onde fazem parte, encaminhando aos coordenadores das áreas, gestores das filiais ou presbíteros responsáveis pela congregação.
Outra possibilidade é levar os donativos diretamente ao Departamento Social da igreja, no Templo Central, na avenida Cruz Cabugá, 29, Santo Amaro, Recife. Lá, haverá uma equipe destinada exclusivamente para atender os doadores. Caso a doação seja financeira, basta ligar para estes telefones: (81) 3797-1500 e (81) 3084-1530.
A campanha REDE BRASIL SOLIDÁRIA será divulgada pela emissora durante a programação no rádio e na TV, principalmente no programa Deus Fala ao Coração, transmitido das 0h às 1h, de segunda a sexta.

A trágica decisão do STJ

A trágica decisão do STJ que permitiu a adoção de crianças por homossexuais

Por que a decisão do STJ de permitir a adoção por casal homossexual é um grande equívoco?

Trágica. É assim que podemos definir a decisão dos Ministros da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, por unanimidade, negaram recurso do Ministério Público do Rio Grande do Sul e mantiveram a decisão que permitiu a adoção de duas crianças por um casal de mulheres.

Sob o ponto de vista jurídico e levando-se em consideração uma interpretação sistemática da nossa Lei Maior (CF), pode-se dizer que tal decisão é claramente inconstitucional. O artigo 226, § 3º, da Constituição Federal, estabelece que “para a proteção do Estado é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar…”. Isto é, a união estável somente poderá ser reconhecida pelo relacionamento de pessoas de sexos distintos, a qual será considerada como entidade familiar. Daí dizer que sob a vigência da atual Carta Magna a união homossexual não é considerada como família e muito menos como uma união estável.

Com isso em mente, leiamos o artigo 29 do Estatuto da Criança e do Adolescente que assim dispõe: “Não se deferirá colocação em família substituta a pessoa que revele, por qualquer modo, incompatibilidade com a natureza da medida ou não ofereça ambiente familiar adequado”.

Observe que a lei diz “ambiente familiar adequado”. Ora, se o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo não é considerado juridicamente como família e nem mesmo como união estável, tal sociedade pode ser considerada como um ambiente familiar adequado apto a uma adoção?

Direito de Família pós-moderno

A questão é que nos dias atuais o Direito (ciência jurídica) tem sofrido imensas transformações. Algumas mudanças são positivas, outras, porém, são verdadeiros absurdos. O Direito pós-moderno ou pós-positivista – tão incensado na seara jurídica da atualidade – evocou a supremacia dos princípios em relação às normas; a análise individual ao invés da geral. Com isso, a Lei, concebida como a manifestação da soberania do povo através dos seus representantes, se vê hoje em desvantagem, já que se abre aos magistrados a possibilidade de julgar conforme princípios que às vezes se chocam contra a própria legislação.

Charles Colson e Nancy Pearcey, em O Cristão na Cultura de Hoje (CPAD), denominam essa situação de imperialismo judicial, de juízes que interpretam arbitrariamente as leis e as aplicam contra os padrões morais objetivos. Conforme os autores, “… estamos em uma situação sem saída, onde os juízes conservadores dizem que as cortes não podem consultar a moralidade, que é o papel do povo transformar a moralidade em lei – enquanto, ao mesmo tempo, os juízes liberais anulam leis que expressam as convicções morais do povo, até mesmo desqualificando essas convicções como uma simples ‘animosidade pessoal´”. (p.206).

O problema maior é que os princípios geralmente utilizados pelos magistrados liberais são construções ideológicas, inflados às vezes pelo sopro de idéias obtusas e extravagantes, aplicados em conformidade com a conveniência do julgador. O (super)princípio da dignidade da pessoa humana, por exemplo, vai se transformando em “arroz de festa”; de tanto ser invocado e utilizado erroneamente tem agora o seu valor original desconfigurado, servindo a interesses de uma minoria. Tenta-se a todo custo legitimar comportamentos antinaturais e imorais sob o manto da “dignidade da pessoa humana”.

Nesse mesmo foco o Direito de Família se envereda por um túnel obscuro. O jurista Eduardo de Oliveira Leite, citado por Flávio Tartuce no livro Direito de Família (Método, p.22/23), ao apontar algumas das suas principais alterações lista a dessacralização como uma de suas características atuais. Ou seja, é o desaparecimento do elemento sagrado da família. Com isso, a família que sempre foi considerada como uma instituição sagrada é agora concebida como um simples contrato; apenas um negócio jurídico.

De volta à adoção…

Além de trágica sob a visão jurídica, é também sob a perspectiva moral e bíblica.

Se a união entre pessoas do mesmo sexo já representa algo antinatural (Rm. 1.27); a adoção de crianças por homossexuais possui ainda maior gravidade. Isso porque, a união homossexual [pelo menos] pressupõe a consciência das pessoas maiores em tomarem tal decisão. Como mesmo afirmam: trata-se de uma orientação. São escolhas do livre arbítrio.

A adoção, por outro lado, consiste em ato que não leva em consideração a consciência moral da criança, que ainda não sabe a diferença entre o certo e o errado. Nesse caso, “a voz da conciência” é o próprio Estado, que diz o que é o melhor para a criança, a qual no final das contas não tem nenhuma escolha; senão aceitar aquilo como sendo algo normal.

A aceitação de tal adoção, como se vê, é mais uma aplicação do pragmatismo pelo Estado. Tenta-se resolver um problema social com os olhos voltados basicamente para o utilitarismo, sem considerar a ética e a moralidade.

E Agora, Como Viveremos?

Valmir Nascimento

Vou comemorar agradecendo a Deus, afirma Lúcio

Vou comemorar agradecendo a Deus, afirma Lúcio

Fifa proíbe manifestações religiosas, mas atlestas vão testemunhar

Vou  comemorar agradecendo a Deus, afirma Lúcio

A seleção brasileira é uma das favoritas para vencer a Copa do Mundo 2010. Se isso acontecer, o capitão Lúcio afirma que vai levantar o troféu em uma das mãos, enquanto a outra será levantada para agradecer a Deus.

O mundo do esporte internacional pode ser um lugar difícil para ter uma posição de fé, mas Lúcio se mostra firme.

Em 2002, um grupo de jogadores do futebol brasileiro se conheceu antes do jogo do campeonato contra a Alemanha. Naquela época o capitão se encontrou com Kaká, Edimilson e outros atletas para um momento de estudo da Bíblia e oração. Durante as reuniões, eles oravam e adoraram a Deus. “Nós decidimos que queríamos fazer algo para glorificar a Deus. Coloquei uma camiseta que dizia ‘Jesus te ama’. Esta foi a minha maneira de dizer ao mundo que eu estava grato ao Senhor, e que ele era minha razão para jogar”, conta.

Mas desde o final de 2002, a FIFA proibiu o uso de slogans religiosos sobre os equipamentos pessoais e roupas dos jogadores, mas isso não impediu que Lúcio e seus companheiros cristãos.

Lúcio afirma respeitar a decisão da FIFA, mas ele acredita que Deus vai dar outra forma de testemunhar o seu amor para o mundo, lembrando que o nosso comportamento em campo também pode ser usado por Deus. “A coisa mais importante é plantar uma semente, e deixar que o Espírito Santo convencer as pessoas da maneira que eles devem seguir. Tudo que eu faço é para glória de Deus – e eu acredito que as pessoas vêem isso, e pode ser levado a Cristo por meu exemplo”, testifica.

Lúcio afirma que Jesus é o melhor amigo e um companheiro constante. “Ele é fiel e está sempre ao meu lado, seja na dor da derrota, ou na alegria da vitória. Ele esta comigo, mesmo quando o meu nome é totalmente esquecido”.

O capitão

Ele usa o bracelete de capitão para comandar a equipe de futebol do Brasil, que é uma das favoritas para ganhar a Copa do Mundo. Lucimar da Silva Ferreira, mais conhecido como Lúcio, é um líder, dentro e fora do campo. Lucio é membro ativo do Atletas de Cristo, movimento  evangelístico brasileiro de atletas cristão e espera ver seu sonho concretizado no Mundial de 2010 Copa na África do Sul.

Lúcio afirma que a Bíblia é seu manual de instruções, que o ensina a andar segundo a vontade de Deus. Ele considera a maior vitória é ter Deus em sua casa.  “Tenho um relacionamento diário com Deus, lendo sua Palavra e passando um tempo em oração. Sei que Deus sabe o que é melhor para mim em todas as situações. Deus oferece vida, amor e paz. Ele nos ama incondicionalmente e nos oferece a sua alegria”, conclui.

Categorias:Nótícias

HOMOFOBIA

17 de setembro de 2009 Deixe um comentário

Conselho evangélico questiona lei paulista que proíbe discriminação contra homossexuais – Isso é Preconceito ou uma mera discussão técnico-jurídica ???

homofobia

O ministro Eros Grau é o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4294, ajuizada pelo Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil (Cimeb) contra a Lei paulista 10.948/01, que penaliza administrativamente quem discriminar alguém pela orientação sexual. O Conselho sustenta que a lei trata de cidadania e, segundo a Constituição, cabe exclusivamente à União e não aos estados legislar sobre esse tema (artigo 22, inciso XIII). Por isso pede que o Supremo declare a sua inconstitucionalidade.

Compete ao Congresso Nacional instituir leis que tratem sobre tudo que envolva a cidadania dos brasileiros, sustenta o texto da ADI. Segundo o Cimeb, a única forma de a iniciativa da lei estar de acordo com a Constituição Federal seria por meio de uma lei complementar aprovada pelo Congresso que delegasse ao estado de São Paulo a função de legislar sobre o tema, e, ainda assim, em suas questões específicas.

Além disso, os ministros evangélicos argumentam que já existe um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados (PLC 122/06)sobre as formas de discriminação sexual e suas penalidades.

Na ADI, o conselho lembra, ainda, que um projeto de lei idêntico à lei paulista (440/01) tramitou pela Câmara dos Vereadores da cidade de São Paulo e foi vetado pelo prefeito Gilberto Kassab exatamente porque estaria fora da competência dos vereadores paulistanos legislar sobre o assunto. Na ocasião, Kassab ressaltou que a falta de parâmetros claros para a identificação de atitudes discriminatórias criavam dificuldades intransponíveis para a fiscalização. Embora tenham sido indicados alguns comportamentos ensejadores de sanção administrativa, tais indicações foram feitas de maneira extremamente genéricas, servindo-se de termos de abrangência demasiada, de sorte a causar dificuldades no momento da aplicação da sanção, disse o prefeito à época do veto.

Mérito

O texto da ADI não se detém apenas ao suposto vício de iniciativa da lei, mas também ao seu conteúdo. Segundo o Cimeb, trata-se da lei da mordaça, uma vez que a manifestação pública sob o ponto de vista moral, filosófico ou psicológico contrário aos homossexuais é passível de punição. Isso estaria infringindo o direito constitucional de manifestação do pensamento.

Na mesma linha, os pastores evangélicos ligados ao conselho lembraram que outros grupos também sofrem discriminação como a mulher, o idoso, o negro, o nordestino, o divorciado, o casal que não tem filhos, os evangélicos, os religiosos africanos, os católicos, os judeus, etc. e para eles não existe lei semelhante. Isso ofenderia o próprio princípio constitucional da igualdade entre os cidadãos.

No pedido liminar, o Cimeb busca a suspensão com efeitos retroativos da Lei paulista 10.948/01 até que o mérito da ADI seja apreciado pelo Supremo

Fonte: STF.

Despesas da Câmara

9 de setembro de 2009 Deixe um comentário

Despesas da Câmara e Senado serão de quase R$ 100 milhões. Nossos DEPUTADOS e SENADORES só pensam em gastar o “nosso” dinheiro público. VERGONHA DE SER BRASILEIRO !!!

CB007271

A proposta do Orçamento 2010 para a Câmara e o Senado abre uma brecha que, se concretizada, vai gerar um gasto de quase R$ 100 milhões por ano com despesas de pessoal. Juntas, as duas Casas previram o preenchimento de 665 cargos e funções que hoje estão vagos. Os postos podem ser ocupados por concursados ou comissionados, a depender das metas dos legisladores. As duas propostas não incluem o plano de cargos e carreiras que está sendo gestado pelas Casas. As informações são do Correio Braziliense. O Senado elaborou uma peça orçamentária cerca de R$ 10 milhões superior à deste ano. A Câmara conseguiu economizar R$ 130 milhões na comparação com igual período. O crescimento do gasto previsto com pessoal é minimizado com cortes em investimento, por exemplo. A Câmara prevê chamar 335 funcionários a um custo anual de R$ 48,7 milhões. O Senado abre a possibilidade de ter outros 300, com uma despesa anual de R$ 41,8 milhões ou R$ 28,1 milhões em 2010, já que, segundo consultores do Orçamento, há um cronograma de convocações. O valor cheio valeria se todos os 300 fossem chamados em janeiro. Atualmente, o Senado gasta R$ 2,2 bilhões ao ano com despesas de pessoal e encargos sociais. A Câmara, R$ 2,6 bilhões.

Fonte: Blog do Magno.

Categorias:Nótícias

Marcha para JESUS

4 de setembro de 2009 Deixe um comentário

Dia Nacional da Marcha para Jesus APROVADO pelo Presidente Lula

 

Marcha para Jesus

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou nesta quinta-feira, 3, o projeto de lei que institui o Dia Nacional da Marcha para Jesus. Participaram da cerimônia, realizada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o presidente da Câmara, Michel Temer, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, estavam presentes no evento.

A data será comemorada sempre no primeiro sábado depois de passados 60 dias do domingo de Páscoa. A Marcha para Jesus começou em Londres e hoje é realizada em muitos outros países.

Segundo Crivella, a lei que cria a Marcha para Jesus oficializa uma comemoração que ocorre regularmente em caráter informal em várias cidades brasileiras.

A solenidade contou com a participação de representantes de várias igrejas evangélicas.

___________________________________________________

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 376, DE 2007 

 

Institui o Dia Nacional da Marcha para Jesus.

 

 

 

 

 

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º É instituído o Dia Nacional da Marcha para Jesus, a ser comemorado, anualmente, no primeiro sábado subseqüente aos sessenta dias após o Domingo de Páscoa.

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Sala da Comissão, 4 de março de 2008. – Senador

 

 

Cristovam Buarque Paim, Presidente – Senador Paulo, Relator.

Categorias:eventos, Nótícias

O que é Fé (?)

30 de agosto de 2009 Deixe um comentário

fé

Fé não é só ter esperança, acreditar ou de alguma forma esperar que algo aconteça, mas fé é saber, é ter certeza absoluta! Para nós atualmente a fé perdeu o seu significado.

Hoje em dia a palavra fé significa uma crença vaga e pouco clara numa coisa qualquer.

Hebreus 11:1 diz: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam,” e a palavra traduzida como “firme fundamento” nesse versículo é a palavra grega “hypóstasis”.

Quando traduziram o Novo Testamento do Grego há quase 400 anos, os tradutores ainda estavam confusos com a palavra “hypóstasis”, pois parecia se tratar de algum termo comercial que não era normalmente usado na literatura grega clássica.

Tudo o que sabiam é que significava algo bastante concreto, e por isso traduziram por “firme fundamento”. Mas há poucos anos os arqueólogos desenterraram no Norte de Israel as ruínas de uma velha estalagem. Lá eles acharam um pequeno cofre de ferro que continha os documentos de uma nobre romana que possuía terras e propriedades em Israel.

Quase todos os documentos tinham um grande título: “HYPÓSTASIS”. Eram todos títulos das propriedades dela! Talvez esta romana nunca tivesse visto as propriedades que comprara em Israel, mas sabia que eram dela e podia provar que eram dela porque tinha o título de propriedade.

Alguém prometeu me dar um carro uma vez, e recebi o certificado de proprietário pelo correio. Embora eu nunca tivesse visto o carro nem o tivesse dirigido, eu sabia que era meu porque tinha o certificado de proprietário nas mãos. Então, o que é a fé? É o título de propriedade !

“Ora, a fé é o título de propriedade das coisas que se esperam” (Hebreus 11:1).

Se você pediu alguma coisa ao Senhor mas ainda não viu a resposta, não se preocupe. Se você tiver fé verdadeira, então terá o título nas mãos, e o seu nome escrito nele !

 É seu e mais cedo ou mais tarde você verá o que pediu! David Berg Fé é acreditar sem qualquer desconfiança, Ainda que na frente nenhuma luz exista, Deixando a dúvida e a falta de esperança, Para aqueles que andam apenas por vista.

Confiar nas promessas de Deus, isso é fé, Quando parece que Deus já nos esqueceu, É não duvidar nem vacilar como São Tomé, Nem buscar sinais e lamentar o que não sucedeu.

Fé é acreditar em Deus e nunca esquecer, A esperança dum futuro que um dia virá, Fé é a coragem de acreditar sem esmorecer, Que tudo o que esperamos um dia acontecerá.

“Sem fé é impossível agradar-lhe: pois é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que é galardoador dos que O buscam” (Hebreus 11:6)

Fonte: http://www.clubedaluz.com.br