Arquivo

Archive for the ‘Oração’ Category

Desistir

9 de dezembro de 2009 Deixe um comentário

Desistir

 

1. As tribulações diante da palavra de Deus

1.1. Nunca podemos desistir do Amor de Deus

1.1.1. As dificuldades do dia a dia na vida do Cristão (Salmos, 13: 1)

1.1.2. A desistência e seus reflexos em nossas vidas (II Coríntios, 4: 16-17)

1.1.3. Cuidado com as mentiras que podem ser plantadas em nossos corações (I João, 3: 19-20)

1.1.4. Quem deve desistir são os demônios, pois somos mais que vencedores (II Reis, 6: 23)

1.1.5. Se for para desistir de algo, que seja em obediência à palavra de Deus (II Crônicas, 11: 4)

1.1.6. Deus tem misericórdia de nós e, por isso, poderá desistir de sua ira (Jeremias, 26: 13)

1.1.7. Deus deve ser o nosso repositório de energia (Colossenses, 1: 11-12)

1.1.8. A glória de Deus habitará aqueles que não desistirem ()

 

 

1. As tribulações diante da palavra de Deus (João, 16: 33)

 

“Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João, 16: 33).

 

 

1.1. Nunca podemos desistir do Amor de Deus (Romanos 8: 39)

“… nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 8: 39).

1.1.1. As dificuldades do dia a dia na vida do Cristão (Salmos, 13: 1)

O que devemos fazer quando temos vontade de desistir (seja honesto com Deus sobre os seus sentimentos) ?

Salmos 13:1 “Até quando, ó Senhor, te esquecerás de mim ? para sempre ? Até quando esconderás de mim o teu rosto ?”

1.1.2. A desistência e seus reflexos em nossas vidas (II Coríntios, 4: 16-17)                  

Quando desistimos, frequentemente perdemos o melhor que Deus tem para oferecer.

2 Coríntios 4:16-17 “Por isso não desfalecemos; mas ainda que o nosso homem exterior se esteja consumindo, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória; pelo contrário, rejeitamos as coisas ocultas, que são vergonhosas, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; mas, pela manifestação da verdade, nós nos recomendamos à consciência de todos os homens diante de Deus”.

1.1.3. Cuidado com as mentiras que podem ser plantadas em nossos corações (I João, 3: 19-20)

Nosso coração pode nos enganar e nos dizer que é para desistir. Talvez tenhamos tal sentimento porque pecamos e nos achamos menos indigno ainda do amor de Deus e, por esta razão, nosso coração nos fala que NÃO ADIANTA BUSCAR A SANTIDADE e que não merecemos andar nos caminhos do Senhor Jesus.

Indignos ! sempre seremos, mas nem por isso Deus deixa de derramar suas graças em nosso favor. Não merecemos, mas mesmo assim, sua misericórdia nos agracia porque Ele é Misericordioso.

Isso não quer dizer que: porque Ele é misericordioso devamos nos afastar de Sua Palavra ! Não ! Muito pelo contrário: DEVEMOS HONRAR SUA MISERICÓRDIA sempre procurando agradá-lo. Não que Ele precise, mas nós sim: precisamos !

1 João 3:19, 20 “Nisto conheceremos que somos da verdade, e diante dele tranqüilizaremos o nosso coração; porque se o coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas”.

“… e Finéias, filho de Eleazar, filho de Arão, lhe assistia, e perguntaram: Tornaremos ainda a sair à pelejar contra os filhos de Benjamim, nosso irmão, eu desistiremos ? Respondeu o Senhor: Subi, porque amanhã vo-los entregarei nas mãos” (Juízes, 20: 28).

1.1.4. Quem deve desistir são os demônios, pois somos mais que vencedores (II Reis, 6: 23)

“Preparou-lhes, pois, um grande banquete; e eles comeram e beberam; então ele os despediu, e foram para seu senhor. E as tropas dos sírios desistiram de invadir a terra de Israel” (II Reis, 6: 23).

Ora ! os demônios se afastam daquele que está preenchido pelo Espírito Santo de Deus porque já sabem que somos vitoriosos.

“Crês tu que Deus é um só ? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem” (Tiago, 2: 19).

1.1.5. Se for para desistir de algo, que seja em obediência à palavra de Deus (II Crônicas, 11: 4)

“Assim diz o Senhor: Não subireis, nem pelejareis contra os vossos irmãos; volte cada um à sua casa, porque de mim proveio isto. Ouviram, pois, a palavra do Senhor, e desistiram de ir contra Jeroboão” (II Crônicas, 11: 4).

Desistir só vale a pena se for para obedecer aos mandamentos de Deus.

Muitas vezes, estamos com o coração cheio de magoas e nossa rebeldia produz a vontade insensata de fazer coisas que desagradam a Deus. Assim, diante dessas circunstâncias, devemos DESISTIR DE FAZER O MAL, uma vez que não agradará o Senhor.

1.1.6. Deus tem misericórdia de nós e, por isso, poderá desistir de sua ira (Jeremias, 26: 13)

“Agora, pois, melhorai os vossos caminhos e as vossas ações, e ouvi a voz do Senhor vosso Deus, e o Senhor desistirá do mal que falou contra vós” (Jeremias, 26: 13).        

Ao agirmos em contrariedade à Palavra de Deus, estamos pecando e, por isso e dependendo da gravidade do pecado ou da desobediência à Sua vontade, podemos estar sujeitos à ira de Deus ou, então, à sua correção.

Deus pode deixar de nos castigar com sua ira se nos arrependermos de nossos erros e voltarmos a ser obedientes, pois ELE É MISERICORDIOSO.

Em nos corrigindo, está Ele a nos ensinar qual o caminho certo, pois quem ama, CORRIGE (Hebreus, 12: 6).

1.1.7. Deus deve ser o nosso repositório de energia (Colossenses, 1: 11-12)

Deus promete-nos fortaleza quando necessitamos.

Colossenses 1:11-12 “Corroborados com toda a fortaleza, segundo o poder da sua glória, para toda a perseverança e longanimidade com gozo; dando graças ao Pai que vos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz”.

O “Poder” da Oração

10 de setembro de 2009 Deixe um comentário

O “Poder” da Oração ! Busque-o em comunhão com Cristo !

poder-da-oracao-2

 

A palavra de Deus nos mostra, em diferentes passagens, o poder da oração. Além da sua importância como instrumento de contato entre nós e Deus, a oração é também uma arma do cristão na guerra espiritual. Em II Crônicas vemos um exemplo de resposta de oração. Salomão havia, no capítulo 6, pedido ao Senhor que viesse ao templo que ele construíra, trazendo sua glória.
 
A resposta a essa oração está no capítulo 7. O verso um diz: “Tendo Salomão acabado de orar… a glória do Senhor encheu a casa”. O resultado disso foi que todos adoraram a Deus, como vemos no verso três. A manifestação da glória de Deus gera adoração e louvor. Salomão sabia que não havia espaço físico que pudesse conter a glória de Deus. Hoje essa glória se manifesta em nossas vidas, devemos gerar adoração e louvor.

 

Deus deseja que a nossa vida seja um lugar de adoração, um lugar onde Sua glória se manifeste. A glória do Senhor se manifesta apenas onde há oração. Sua vida tem sido uma vida de oração? A oração é uma arma espiritual. Mesmo quando pecamos, quando estamos debaixo de maldição, por pior que a situação possa parecer, sempre podemos orar. As situações podem ser revertidas por meio da oração.

 Tiago nos diz que a oração do justo pode muito em seus efeitos. Nossa oração move o coração de Deus. O Senhor fala que se orarmos e nos convertermos de nossos maus caminhos ele ouvirá as nossas preces.

Um grande homem de oração na Bíblia foi Daniel. Ele orava três vezes ao dia, e por causa de sua oração chegou a ser jogado na cova dos leões. Em Daniel 9:3 encontramos uma fórmula de como orar corretamente.

Daniel fala que orou ao Senhor e jejuou, e o mais importante, pediu perdão e se arrependeu. A primeira coisa que ele faz ao buscar a Deus é confessar os pecados seus e do povo. Devemos fazer o mesmo ao entrarmos diante do Pai.
Pecados não confessados podem ser uma barreira a bloquear nossas orações diante de Deus. Filipenses 4:6 diz que não devemos andar ansiosos, mas nossas necessidades devem ser colocadas diante de Deus em oração.

O Diabo é acusador. Muitas vezes Deus não pode liberar as bênçãos pois Satanás está diante dele nos acusando. Nós falhamos, mas temos o sangue de Cristo que nos purifica de todo o pecado. Entre na presença do Senhor tomando posse da sua misericórdia que se renova a cada dia. Entre na presença do Senhor com a consciência de que você leva o nome Dele. Somos cristãos, imitadores de Cristo.

Daniel era um homem que sabia tocar o coração de Deus. No versículo 19 ele pede ao Pai que ouça e perdoe. Precisamos pedir e liberar perdão. E nos versos 20 e 21 ele fala sobre o que ocorre quando oramos a Deus. Um anjo foi enviado pelo Senhor para tocar Daniel antes mesmo que ele terminasse de orar. Deus quer atender a sua oração. Em Mateus 7:7 ele diz: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis, batei, e abrir-se-vos-á”.

Deus quer nos dar muita coisa. Uma criança quando quer algo insiste, continua pedindo. Devemos ser como uma criança. Será que temos insistido em oração diante de Deus? Você tem incomodado o Senhor pedindo para ser uma bênção?

         Quando um filho não tem barreiras com o pai ele pede, sabendo que, na medida do possível, o pai vai lhe atender. Deus quer que você seja uma bênção, e a forma de conseguir isso é pedindo, orando. Quando a igreja ora junto as portas do inferno não prevalecem. Em Atos 12 encontramos um exemplo da força da oração da igreja. No versículo 5 lemos que a igreja orava por Pedro que estava preso por Herodes.

O resultado? Deus enviou um anjo que libertou a Pedro de forma milagrosa. Deus prometeu que ouviria nossa oração. Nós somos o templo do Senhor, Ele vai ouvir a nossa oração. Ele enviará seu anjo para nos guardar e ajudar.

Use essa arma poderosa que Deus colocou em nossas mãos. Faça da sua vida uma vida de oração e adoração a Deus.

 

 

 Fonte: http://www.montesiao.pro.br

Voçê acredita nas “coisas” de Deus???

5 de setembro de 2009 1 comentário

Você acredita nas “coisas” de Deus ???

 

Vc acredita ???

Eram aproximadamente 22:00 horas quando um jovem começou a
se dirigir para casa. Sentado no seu carro, ele começou a pedir:
– “Deus ! Se ainda falas com as pessoas, fale comigo. Eu irei ouvi-lo. Farei tudo para obedecê-lo”.

Enquanto dirigia pela rua principal da cidade, ele teve um pensamento muito estranho:
– “Pare e compre um galão de leite”.

Ele balançou a cabeça e falou alto:
– “Deus ? É o Senhor ?”.

Ele não obteve resposta e continuou dirigindo-se para casa.

Porém, novamente, surgiu o pensamento:
– “Compre um galão de leite”.

– “Muito bem, Deus ! No caso de ser o Senhor, eu comprarei o leite”. Isso não parece ser um teste de obediência muito difícil …

Ele poderia também usar o leite.

O jovem parou, comprou o leite e reiniciou o caminho de casa.

Quando ele passava pela sétima rua, novamente ele sentiu um pedido:

– “Vire naquela rua”.

– Isso é loucura …
pensou e passou direto pelo retorno.

Novamente ele sentiu que deveria ter virado na sétima rua.

No retorno seguinte, ele virou e dirigiu-se pela sétima rua.

Meio brincalhão, ele falou alto:

– “Muito bem, Deus. Eu farei”.

Ele passou por algumas quadras quando de repente sentiu que devia parar.

Ele brecou e olhou em volta.

Era uma área mista de comércio e residência.

Não era a melhor área, mas também não era a pior da vizinhança.

Os estabelecimentos estavam fechados e a maioria das casas estavam escuras, como se as pessoas já tivessem ido dormir, exceto uma do outro lado que estava acesa.

Novamente, ele sentiu algo:

– “Vá e dê o leite para as pessoas que estão naquela casa do outro lado da rua”.

O jovem olhou a casa.

Ele começou a abrir a porta mas voltou a sentar-se.

” Senhor, isso é loucura. Como posso ir para uma casa estranha no meio da noite? “.

Mais uma vez, ele sentiu que deveria ir e dar o leite. Finalmente, ele abriu a porta …

– “Muito Bem, Deus, se é o Senhor, eu irei e entregarei o leite àquelas pessoas. Se o Senhor quer que eu
pareça uma pessoa louca, muito bem. Eu quero ser obediente. Acho que isso vai contar para alguma coisa, contudo, se eles não responderem imediatamente, eu vou embora daqui”.

Ele atravessou a rua e tocou a campainha.

Ele pôde ouvir um barulho vindo de dentro, parecido com o choro de uma criança.

A voz de um homem soou alto:
– “Quem está aí ? O que você quer ?”

A porta abriu-se antes que o jovem pudesse fugir. Em pé, estava um homem vestido de jeans e camiseta. Ele tinha um olhar estranho e não parecia feliz em ver um desconhecido em pé na sua soleira.
– “O que é ?”.

O jovem entregou-lhe o galão de leite.
– “Comprei isto para vocês”.

O homem pegou o leite e correu para dentro falando alto. Depois, uma mulher passou pelo corredor carregando o leite e foi para a cozinha. O homem a seguia segurando nos braços uma criança que chorava. Lágrimas corriam pela face do homem e, ele começou a falar, meio soluçando:

– “Nós oramos. Tínhamos muitas contas para pagar este mês e o nosso dinheiro havia acabado. Não tínhamos mais leite para o nosso bebê. Apenas orei e pedi a Deus que me mostrasse uma maneira de conseguir leite.

Sua esposa gritou lá da cozinha:
– “Pedi a Deus para mandar um anjo com um pouco de leite … Você é um anjo?”

O jovem pegou a sua carteira e tirou todo dinheiro que havia nela e colocou-o na mão do homem.

Ele voltou-se e foi para o carro, enquanto as lágrimas corriam pela sua face.

Ele teve certeza que Deus ainda responde aos verdadeiros pedidos.

NUNCA DEVEMOS ESQUECER DA MISERICÓRDIA DE DEUS !!!

O perigoso culto ao “eu” do triunfalismo e do individualismo

2 de setembro de 2009 Deixe um comentário

O perigoso culto ao “eu” do triunfalismo e do individualismo

 

Segundo a Palavra de Deus, não devemos nos conformar com o mundo (Rm 12.1-2), isto é, com as suas crenças, doutrinas, tendências, atitudes e filosofias, como: o hedonismo, o materialismo, o imediatismo, o ateísmo, o antropocentrismo, o machismo, o feminismo, o homossexualismo, etc. Neste artigo, discorreremos sobre os perigos do egocentrismo, do individualismo e, principalmente, do triunfalismo, os quais vêm fascinando cristãos desavisados. 

Egocentrismo, à luz da psicologia, diz respeito ao conjunto de atitudes ou comportamentos de um indivíduo que se refere essencialmente a si mesmo. Essa tendência é contrária à Palavra de Deus, que condena a soberba, o orgulho, o egoísmo e o egotismo. Todos esses termos, com significações específicas, se inter-relacionam, designando o culto ao “eu”.

Quanto ao individualismo, trata-se da doutrina moral, econômica ou política que valoriza a autonomia individual, em detrimento da hegemonia da coletividade despersonalizada, na busca da liberdade e satisfação das inclinações naturais (Houaiss). É a tendência e a atitude de quem revela pouca ou nenhuma solidariedade e busca viver exclusivamente para si; também está associado à egolatria.Foi o Diabo o primeiro a cultuar o “eu”, tentando, inclusive, igualar-se a Deus (Is 14.12-15 e Ez 28.15-17). Por isso, como o mundo jaz no Maligno (1Jo 5.19), as suas filosofias predominantes são o egotismo e o narcisismo — se bem que este último diz respeito principalmente ao estágio precoce do desenvolvimento psicossexual no qual o indivíduo tem a si mesmo como objeto sexual —, ambas condenadas pela Palavra de Deus (Lc 12.17-21; Gl 2.20; Jo 3.30; Sl 138.6; Ec 2.4-11; Lc 18.9-14 e 1Pd 5.5).

 

O termo “triunfalismo” diz respeito à atitude excessivamente triunfante; ao sentimento exagerado de triunfo. É a mais perigosa dentre as influências filosóficas em análise, posto que os falsos mestres a propagam encobertamente entre nós (2Pd 2.1 e At 20.30). E, como num círculo vicioso, os crentes desavisados, ávidos por ouvir palavras que agradem os seus ouvidos (2Tm 4.3), abraçam os mencionados egocentrismo e individualismo, bem como todo o tipo de influência egotista.

Muitos cultos, em nossos dias, são reuniões para “massagear” egos, tendo como objetivo adular, elogiar e melhorar a auto-estima dos crentes. A tendência é que esses irmãos se esqueçam de que são “vasos de barro” (2Co 4.7) e deixem de se humilhar debaixo da potente mão de Deus (1Pd 5.6), passando a ver tudo sob a ótica do triunfalismo. Isso é perigoso, pois a própria Bíblia assevera que no mundo temos aflições (Jo 16.33; At 14.22; Rm 5.1-6 e 2Co 4.16-17).

Quando um crente é estimulado a só pensar em bênçãos, torna-se cada vez mais egocêntrico e individualista. Ele não freqüenta as reuniões da igreja a fim de cultuar a Deus, e sim para satisfazer as suas necessidades. A sua fé é direcionada apenas à consecução de vitória, ignorando que os heróis da fé fecharam as bocas dos leões e escaparam da espada (Hb 11.33-34), mas também, pela mesma fé, foram maltratados, torturados, apedrejados, serrados e desamparados (Hb 11.25,35-38).

Segundo a teologia do triunfo, o crente deve “decretar”, “determinar”, “profetizar” bênçãos materiais e espirituais — nessa ordem — para a sua vida, além de exigir a saúde física como um direito. Tudo gira em torno da fé, vista como a mais importante virtude da vida cristã. Mas isso não é a fé saudável, bíblica, e sim a egolátrica fé na fé. Conquanto precisemos de fé para agradar a Deus (Hb 11.6) e sejamos vencedores, em Cristo (Rm 8.37 e 1Co 15.57), essa virtude sem as obras é morta (Tg 2.17,24,26; 2Pd 1.5-9; Ef 2.8-10 e 1Co 13.2,13).

Além de supervalorizar a fé, os triunfalistas apegam-se à maldição hereditária, à cura interior — isto é, à falsa cura interior —, à priorização da vitória financeira, a exageros no campo da batalha espiritual e à pretensa saúde perfeita. Para eles, o cristão só adoece se estiver em pecado ou dominado pelo Diabo. Ignoram que nem todas as doenças provêm do Maligno (Jo 9.3; 11.4; Sl 90.10; 2Co 4.16; 1Pd 1.24 e 1Co 15.54). Embora Jesus tenha poder para nos curar, segundo a sua vontade (1Jo 5.14; Mt 6.9,10 e 26.42), ainda estamos sujeitos às enfermidades (2Rs 13.14; 1Tm 5.23; 2Tm 4.20 e Sl 41.3).

Outro desvio triunfalista é a menção constante ao Diabo e seus agentes. Cantores e expoentes bradam: “Vou cantar para Satanás ouvir” ou “Vou gritar para sacudir o Inferno”. Certo pregador afirmou que a sua missão resume-se em “chutar a cara do capeta por onde passa”. Ou seja, como todas as coisas negativas seriam, supostamente, determinadas por Satanás, temos de dirigir-lhe palavras de ordem. Entretanto, devemos cantar para louvar a Deus; e pregar para “abalar” o coração dos pecadores!

De acordo com Tiago 1.14, quando pecamos, fazemos isso em razão de nossa própria concupiscência. É do coração que procedem as obras carnais (Mt 15.19 e Gl 5.19-21). Pôr toda a culpa no Inimigo e depois dirigir-lhe palavras de ofensa é fácil! Difícil é se santificar e resistir até ao sangue, combatendo contra o pecado (Hb 12.4,14).

triunfoOs triunfalistas gostam de bater no peito e dizer: “Eu sou vencedor”. Eles supervalorizam as suas declarações de fé e, por isso, vivem “profetizando” que o Brasil ou certa cidade são do Senhor Jesus… No entanto, se não houver compromisso com o Deus da Palavra e com a Palavra de Deus, nada mudará. Quantos já não “abençoaram” esse País?! Precisamos conquistá-lo pela pregação do Evangelho, e não politicamente, pois o Reino de Cristo é espiritual (Jo 18.36 e Rm 14.17).

Se não fizermos a nossa parte, é inútil “decretar” o fechamento de bares e casas de shows, e “profetizar” que cinemas e teatros só apresentarão pretensos filmes e espetáculos evangélicos. O triunfalismo não muda em nada as circunstâncias. Deus quer e pode mudar a situação desse País, mas fará isso por meio de intercessão, evangelização e influência do povo que se chama pelo seu nome (1Tm 2.1-3; 2 Cr 7.14-15; Jr 33.3; 29.13; 31.9; Ef 6.18; Jl 2.12,17; Mc 16.15 e Mt 28.19).

O triunfalismo afasta o crente da sã doutrina sem que ele perceba, levando-o a pensar que as aflições não são uma realidade da vida cristã (1Pd 5.8-10; 2Co 8.1-2; Rm 8.18; 2Co 1.6; 1Pd 2.19-21 e 2Tm 3.12). A nossa vitoriosa caminhada rumo ao Céu deve ser caracterizada pela renúncia do “eu” (Lc 9.23; Fp 3.13-14; 2Tm 2.3; 2Co 1.5 e 2.4). Portanto, lembremo-nos das palavras de João Batista acerca de Jesus: “… que ele cresça e que eu diminua”, Jo 3.30.

Pr. Ciro Sanches Zibordi (Assembléia de Deus Niterói – RJ)
Artigo publicado no jornal Mensageiro da Paz, da CPAD

 

O que é Fé (?)

30 de agosto de 2009 Deixe um comentário

fé

Fé não é só ter esperança, acreditar ou de alguma forma esperar que algo aconteça, mas fé é saber, é ter certeza absoluta! Para nós atualmente a fé perdeu o seu significado.

Hoje em dia a palavra fé significa uma crença vaga e pouco clara numa coisa qualquer.

Hebreus 11:1 diz: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam,” e a palavra traduzida como “firme fundamento” nesse versículo é a palavra grega “hypóstasis”.

Quando traduziram o Novo Testamento do Grego há quase 400 anos, os tradutores ainda estavam confusos com a palavra “hypóstasis”, pois parecia se tratar de algum termo comercial que não era normalmente usado na literatura grega clássica.

Tudo o que sabiam é que significava algo bastante concreto, e por isso traduziram por “firme fundamento”. Mas há poucos anos os arqueólogos desenterraram no Norte de Israel as ruínas de uma velha estalagem. Lá eles acharam um pequeno cofre de ferro que continha os documentos de uma nobre romana que possuía terras e propriedades em Israel.

Quase todos os documentos tinham um grande título: “HYPÓSTASIS”. Eram todos títulos das propriedades dela! Talvez esta romana nunca tivesse visto as propriedades que comprara em Israel, mas sabia que eram dela e podia provar que eram dela porque tinha o título de propriedade.

Alguém prometeu me dar um carro uma vez, e recebi o certificado de proprietário pelo correio. Embora eu nunca tivesse visto o carro nem o tivesse dirigido, eu sabia que era meu porque tinha o certificado de proprietário nas mãos. Então, o que é a fé? É o título de propriedade !

“Ora, a fé é o título de propriedade das coisas que se esperam” (Hebreus 11:1).

Se você pediu alguma coisa ao Senhor mas ainda não viu a resposta, não se preocupe. Se você tiver fé verdadeira, então terá o título nas mãos, e o seu nome escrito nele !

 É seu e mais cedo ou mais tarde você verá o que pediu! David Berg Fé é acreditar sem qualquer desconfiança, Ainda que na frente nenhuma luz exista, Deixando a dúvida e a falta de esperança, Para aqueles que andam apenas por vista.

Confiar nas promessas de Deus, isso é fé, Quando parece que Deus já nos esqueceu, É não duvidar nem vacilar como São Tomé, Nem buscar sinais e lamentar o que não sucedeu.

Fé é acreditar em Deus e nunca esquecer, A esperança dum futuro que um dia virá, Fé é a coragem de acreditar sem esmorecer, Que tudo o que esperamos um dia acontecerá.

“Sem fé é impossível agradar-lhe: pois é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que é galardoador dos que O buscam” (Hebreus 11:6)

Fonte: http://www.clubedaluz.com.br